Radioterapia e Quimioterapia

Untitled Document

O tratamento adjuvante do câncer da mama com freqüência envolve o uso de radio (RT) e quimioterapia (QT). A seqüência ideal desta combinação ainda não foi estabelecida. O atraso da RT pode permitir falha local; o atraso da QT pode permitir falha sistêmica. Um tratamento não deve prejudicar o outro. Este artigo relata nossa experiência com RT+QT concomitantes.

Material e Métodos: Foi feita análise retrospectiva de pacientes com câncer da mama que receberam RT+QT ao mesmo tempo, após a cirurgia (conservadora ou radical), tratadas entre jan/89 e jan/99. A RT não incluiu mamária interna e axila, e teve dose total de 50Gy. Durante a RT pacientes receberam 1 ou 2 ciclos de ciclofosfamida, methotrexate e 5 fluouracil (CMF). Foram avaliadas mudanças de dose, toxicidade, tolerância.

Resultados: Idade média de 44 anos; seguimento mediano de 33 meses. Cirurgia conservadora: 62 pts; mastectomia: 41 pts. Todas receberam o tratamento sem mudança de dose ou interrupção da RT. Quanto à QT, 10/103 pts receberam 10%-20% menos dose de QT. Não houve evidência de mudança em resultados cosméticos.

Conclusão: Resultados sobre demora no início de RT ou QT vêm de estudos retrospectivos e são conflitantes. Enquanto a seqüência ideal do uso de RT e QT está para ser definida, temos feito ambos os tratamentos ao mesmo tempo, com uso de CMF como esquema de QT, sem maiores mudanças de dose ou toxicidade de nenhum dos tratamentos. A idéia é não atrasar nenhum dos dois tratamentos, mas está para ser provado se esta alternativa traz benefícios significativos. 

Cirurgias

A cirurgia para retirada do câncer de mama e a reconstrução mamária devem ter enfoque multidisciplinar, incluindo as especialidades médicas da cirurgia plástica, da imaginologia mamária, da radioterapia, da oncologia, da oncopsicologia e da fisioterapia. Veja como são feitas essas intervenções.

Estádios do câncer de mama

Os estádios do câncer de mama são formas que os médicos dão de dar notas para o momento da doença do paciente no caso do câncer de mama são divididos em 5 tipos:
 
Estadio 0: quando a doença esta restrita ao local onde começou (carcinomas in situ)
 
Estadio 1: a doença invadiu a região local, mas possui no máximo 2cm de tamanho (carcinomas invasivos = tem chance de mandar células para outras partes do corpo)
 
Estádio 2: a doença invadiu a região local, mas possui entre 2 e 5cm de tamanho e ínguas pouco comprometidas na axila (carcinomas invasivos)
 
Estádio 3: a doença invadiu a região local, mas possui tamanho maior que 5cm ou ínguas muito comprometidas na axila (carcinomas invasivos)
 
Estádio 4: quando a doença invadiu outras partes do corpo como: ossos, pulmões, fígado, etc

Terapias integrativas e alternativas

Os pacientes com câncer frequentemente experimentam estresse físico e emocional. Após o diagnóstico e durante o tratamento do câncer, a ansiedade, distúrbios de humor e alguns sintomas como náusea, vômito, depressão e dor necessitam ser alvos de atenção da equipe multiprofissional.

A dor no câncer é conhecida como dor total, terminologia criada por Cicely Saunders, na década de 60 na Inglaterra. A dor total significa muito mais que dor física, e vai além das questões psicológicas, uma vez que considera aspectos psíquicos, sociais e espirituais, priorizando as causas relacionadas ao sofrimento do paciente. Neste sentido, outras abordagens terapêuticas precisam ser introduzidas com o objetivo de prevenir, minimizar e tratar a dor total.

O uso das Terapias Complementares e Integrativas como intervenção contra a dor e outros sintomas é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), sendo utilizado cada vez mais nos pacientes com câncer como tratamento complementar. No mundo inteiro, diversos centros de tratamento de doenças crônicas, agregam estas terapias em suas rotinas, com destaque para o Serviço de Medicina Integrativa do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center (Nova York, EUA), fundado em 1999.

 

Terapias Complementares e Integrativas

 

Entre algumasTerapias Complementares e Integrativas, utilizadas no tratamento da dor em pacientes com câncer, podemos citar:

 

  • Massagem: Existem vários tipos de massagem, entre os quais podemos citar: Massoterapia, Reflexologia, Massagem Sueca, Shiatsu, Tui Na e Acupressão. A utilização das técnicas pode ser isoladamente ou em conjunto, dependendo também da escolha pessoal do profissional que executa a massagem.

    Massoterapia reúne diversos procedimentos que estimulam e manipulam os tecidos moles (musculatura), aliviando o estresse, proporcionando o relaxamento e sendo eficaz no tratamento da dor.

    Massagem Sueca utiliza técnicas que exercem pressão nos músculos promovendo relaxamento e contribuindo com a melhora da circulação. Aplicada de forma profunda, tem a finalidade de diminuir o estresse e melhorar a mobilidade da pessoa, deixando-a mais disposta.

    Acupressão utiliza os princípios da medicina chinesa, pressionando com os dedos os pontos de acupuntura. Alongar e massagear também faz parte desta técnica com a finalidade de restabelecer a energia do corpo. A diferença com a acupuntura, é que as agulhas não são utilizadas.

    Shiatsu é uma técnica japonesa que utiliza os princípios da acupressão, visando equilíbrio do Qi ou energia, pressionando os pontos dos caminhos de energia conhecidos como meridianos, com a finalidade de fazer a energia fluir, e para proporcionar bem-estar.

    Do-In que tem os princípios do Shiatsu,só que é feito pela própria pessoa, e não pelo terapeuta.

    Tui Na é um método da medicina chinesa, mais antiga que a acupuntura, que utiliza técnicas de massagem de empurrar, puxar, pressionar e rolar da pele e tecidos moles, utilizando os caminhos energéticos.

    Reflexologia é uma forma de massagem, utilizada na China por volta de três mil anos, baseada em áreas mapeadas em determinadas partes do corpo, correspondentes às glândulas, órgãos e tecidos, onde existem milhares de terminações nervosas. A técnica vem sendo utilizada para promover relaxamento, alívio do estresse e melhora do aporte sangüíneo.

    Terapia Miofascial e Neuromuscular: tem o objetivo de localizar e diminuir pontos gatilhos (trigger points), pontos muito sensíveis, como "nós musculares", que causam dor e limitam o movimento. Visa diminuir a dor por meio da pressão profunda nos pontos identificados.

  • Acupuntura: É uma técnica milenar que integra a Terapia Tradicional Chinesa, que utiliza agulhas para promover o bem estar físico e emocional. Muito utilizada para a dor e náuseas. Ao contrário do que muitos pensam, é uma terapia praticamente indolor.
  • Meditação: É uma forma de concentração em algo ou simplesmente desligar-se de tudo naquele momento. Auxilia os processos difíceis e superação, promovendo serenidade.
  • Yoga: Praticada na Índia e Tibet há mais de 3.000 anos e introduzida no Ocidente no século 20. Utiliza alongamentos corporais e técnicas de exercícios respiratórios, e dessa forma trabalha o condicionamento físico e mental do paciente.
  • Tai Chi Chuan: É atualmente conhecido como uma série de exercícios, mas originalmente é uma arte marcial, e tem sua origem China. São utilizadas posturas para trabalhar o corpo e a mente, através de exercícios que promovem o equilíbrio e combatem o estresse. Assim como a Yoga, o Tai Chi Chuan oferece exercícios de baixo impacto, ou seja, com pequena possibilidade de provocar lesões.
  • Técnicas de relaxamento mental: Aqui o terapeuta utiliza palavras para induzir o relaxamento. É uma forma de Meditação, onde utiliza-se também técnicas de respiração e uso de imagens mentais.
  • Musicoterapia: Promove relaxamento, utilizando basicamente o sentido da audição. É realizada por meio de instrumentos musicais e uso de diversos sons promovidos por outros equipamentos, que reproduzem também sons da natureza.
  • Aromaterapia: Também promove relaxamento, mas pelo sentido do olfato. Trabalha zonas de prazer no sistema límbico. Os aromas mais utilizados são os de alecrim e alfazema, sendo o primeiro para alegrar e estimular e o segundo para acalmar.
  • Fitoterapia: Utilização de ervas para auxiliar o alívio de alguns sintomas, na forma de chá, cápsulas e tintura-mãe.

 

Precauções

 

Antes de iniciar qualquer terapia, é necessário conhecer os procedimentos oncológicos pelo qual o paciente foi submetido, assim como, realizar um minucioso exame clínico.

 

Em pacientes submetidos a esvaziamento ganglionar (linfadenectomia) axilar não é indicado o uso de terapias que provoquem calor no braço, axila ou tórax do mesmo lado da cirurgia. Isso também se aplica a massagens vigorosas e acupuntura nestas regiões. Esses cuidados visam a prevenção do inchaço no braço (linfedema).

 

Massagens vigorosas também devem ser feitas com cautela em possíveis áreas de comprometimento ósseo (seja por perda de massa óssea ou por metástase), uma vez que poderiam facilitar a ocorrência de fraturas.

 

Em algumas situações clinicas como infecção e trombose venosa profunda, a introdução de terapias complementares e integrativas deve ser avaliada com muito cuidado, uma vez algumas condutas poderiam agravar o quadro. Muitas vezes é necessário suspender o tratamento da dor até melhora da fase aguda destas complicações.

 

Considerações Finais

 

A idéia que essas terapias são naturais não quer dizer que elas não oferecem riscos à saúde. É fundamental que o profissional de saúde tenha treinamento e formação adequados tanto da realização das terapias, quanto nos processos fisiopatológicos do câncer, minimizando assim os riscos e maximizando os benefícios.

 

Como o próprio nome diz, essas terapias são complementares e não devem substituir os recursos usualmente utilizados no tratamento da dor, como os tratamentos medicamentosos, fisioterapêuticos, psicológicos e etc.

 

Referências

 

AMERICAN CANCER SOCIETY. Disponível em: http://www.cancer.org/search. Acesso em 20 de Julho de 2008.

 

CORBIN, L. Safety and efficacy of massage therapy for patients with cancer. Cancer Control, v. 12, n.3, p.158-64, 2005.

 

CURRIN, J; MEISTER, E. A. A Hospital-based intervention using massage to reduce distress among oncology patients. Cancer Nursing, v. 31, n. 3, p. 214-221, 2008.

 

DENG, G.; CASSILETH, B. R. Integrative oncology: complementary therapies for pain, anxiety, and mood disturbance. CA: A Cancer Journal of Clinicians, v. 55, n. 2, p. 109-16, 2005.

 

FELLOWES, D.; BARNES, K.; WILKINSON, S. Aromatherapy and massage for symptom relief in patients with cancer. Cochrane Database, n. 2, CD002287, 2004.

 

KEMPER, K. J.; WORNHAM, W. L. Consultations for holistic pediatric services for inpatients and outpatient oncology patients at a children"s hospital. Archives Pediatrics & Adolescent Medicine, v. 155, n. 4, p. 449-54, 2001.

 

MANSKY, P. J.; WALLERSTEDT, D. B. Complementary medicine in palliative care and cancer symptom management. Cancer Journal, v. 12, n. 5, p. 425-31, 2006.

 

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Disponível em: http://www.who.int/cancer/palliative. Acesso em 22 de Setembro de 2008.

 

STEPHENSON, N. L. et al. Partner-delivered reflexology: effects on cancer pain and anxiety. Oncology Nursing Forum, v.34, n. 1, p.127-32, 2007.

 

STEPHENSON, N.L.; DALTON, J. A.; CARLSON, J. The effect of foot reflexology on pain in patients with metastatic cancer. Applied Nursing Research, v. 16, n. 4, p. 284-6, 2003.

 

YAMAMURA, Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. Ed Roca, São Paulo 1993.

Terapias-alvo

Alguns tratamentos para câncer de mama atuam diretamente nas células cancerosas e causam menos danos às células sadias. São as chamadas terapias-alvo, que utilizam anticorpos monoclonais, capazes de limitar o crescimento do tumor, em uma ação semelhante ao nosso sistema imunológico. Saiba mais sobre o tratamento.

Contato

Endereço:
Praça Floriano, 55/801, Centro Rio de Janeiro, RJ - CEP: 20031-050
Telefone:
(21) 2220-7111
E-mail:
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

AVISO IMPORTANTE
O conteúdo deste site tem o intuito de apenas informar aqueles que têm dúvidas genéricas sobre o câncer de mama. Para a análise de um caso clínico particular, como tratamento, prognóstico e outras dúvidas deve ser consultado um médico especialista.